XVII Jornada Multidisciplinar – Diversidade, Acessibilidade e Direitos: Diálogos com a Comunicação

logo-jornada---id-6-alta-qualidade

INSCREVA SEU TRABALHO AQUI

XVII Jornada Multidisciplinar “Diversidade, Acessibilidade e Direitos: Diálogos com a Comunicação”, organizada pelo Departamento de Ciências Humanas da FAAC – Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da UNESP, campus de Bauru, ocorrerá entre os dias 11 e 13 de agosto de 2015.

Neste ano, a XVII Jornada Multidisciplinar receberá o VIII Encontro de Direitos Humanos na Unesp, que terá uma programação especial articulada com a Jornada.

As inscrições serão feitas exclusivamente na Secretaria do Departamento de Ciências Humanas (DCHU), de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h30 às 17h30. O período de inscrições vai do dia 08/06 ao dia 11/08 (primeiro dia do evento). Já o período de submissão de trabalhos (orais e painéis) é do dia 22/06 ao dia 13/07. A divulgação dos trabalhos aprovados será no dia 20/07 e o pagamento de inscrições de trabalhos aprovados será entre os dias 21 e 31/07. Para ficha de inscrição e informações sobre valores, acesse: http://goo.gl/dqLly1

Confira a programação completa:

11/08 – TERÇA-FEIRA

15h – Sala 69 – Observatório de Educação e Direitos Humanos

Colóquio aberto: Onde está a diversidade na universidade?

Coordenação: Grupo de Pesquisa “Ética, Educação e Direitos Humanos”

18h – Auditório Adriana Chaves – Central de Salas

Sessão interativa: filme – “Eu não quero voltar sozinho”

  • Debatedor: Jorge Leite Jr. (UFSCar)

  • Coordenadora: Patrícia Porchat (Unesp / FC – Bauru)

20h – Auditório Adriana Chaves – Central de Salas

Mesa abertura: Diretores FAAC, Chefia CHU, Organizadores do evento

20h15 – Auditório Adriana Chaves – Central de Salas

Mesa Redonda: Diversidade, desigualdade e direitos humanos –  relações ético-raciais

  • Profa. Dra. Keila Deslandes (UFPO-MG)

  • Edna Muniz (CEERT – Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdade-SP)

Coordenação: Prof. Dr. Clodoaldo Meneguello Cardoso

12/08 – QUARTA-FEIRA

9h às 12h – Salas de Aula – SESSÕES DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS 

Eixo 1: Diversidade – Gênero e sexualidade

– Gênero, Sexualidade e Mídia

– Questões étnico-raciais, comunicação e direitos

– Diferenças, diversidade e direitos

Eixo 2: Acessibilidade, Igualdade e comunicação

– Legislação, políticas e direitos da pessoa com deficiência

– Recursos e produção de mídias focadas na acessibilidade à educação, arte, entretenimento e informação

– A construção dos sujeitos e dos discursos na mídia sobre a pessoa com deficiência

Eixo 3: Direitos humanos na interculturalidade

– Mídia, democracia e diversidade cultural e étnico-racial

– Universidade, ciência e diversidade étnico-racial

– Direitos Humanos e relações internacionais

Eixo 4: Temas Livres

– Este eixo será subdividido tematicamente de acordo com os trabalhos inscritos, e divulgados após avaliação da Comissão Científica.

14h30 – Sala 2

CINECLUBE MIX FAAC: CIRCUITO “FESTIVAL ASSIM VIVEMOS”

Coordenadora: Profa. Dra. Lucinea Marcelino Villela (UNESP)

15h – Sala 69 – Observatório de Educação e Direitos Humanos

Assembleia aberta: Direitos Humanos na Unesp – ensino, pesquisa e extensão

Coordenação: Observatório de Educação em Direitos Humanos

17h – Bosquinho

Papo aberto com Coletivo Feminista Abre Alas

19h – Auditório Adriana Chaves – Central de Salas

Mesa-redonda: Acessibilidade, direito à diferença

  • Susana Nogueira Libório Godoy (Secretaria Municipal de Cultura – Bauru)

  • Emmanuelle Alkim (Secretaria Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida – Campinas)

Coordenação: Profa. Dra. Lucinea Villela (UNESP)

13/08 – QUINTA-FEIRA

9h – 12h – Oficinas

  • Ativismo feminista na rede – Aline Ramos e Ms. Amara Moira (sala 57)

  • Mídias e acessibilidade – Profa. Dra. Lucinea Villela (sala 80)

  • Educação para a diversidade – Prof. Dr. Clodoaldo Cardoso (sala 69)

14h30 – Sala 2

CINECLUBE MIX FAAC: CIRCUITO “FESTIVAL ASSIM VIVEMOS”

19h – Auditório Adriana Chaves – Central de Salas

Mesa-redonda: Gênero, sexualidade e direitos, diálogos e tensões com a mídia

  • Profa. Dra. Anna Paula Vencato (UNIP-SP)

  • Profa. Ms. Marcela Pastana (UNESP)

Coordenação: profa. Dra. Larissa Pelúcio (UNESP)

21h – Auditório Adriana Chaves – Central de Salas

Encerramento: Grupo de Maracatu Abayomi

Anúncios

Aberta a submissão de trabalhos para a XIV JORNADA PEDAGÓGICA da UNESP de Marília

XIV JORNADA PEDAGÓGICA DA UNESP DE MARÍLIA
 
Realização: 4, 5 e 6 de junho de 2012
Envio de trabalhos: até 30 de abril
 
Para mais informações, clique aqui
 

Chamada para o VI Encontro Iberoamericano de Educação

CALENDÁRIO

DIVULGAÇÃO: de 28/04 a 08/08/2011
INSCRIÇÕES: de 02/05 a 08/08/2011
LOCAL DAS INSCRIÇÕES: http://iage.fclar.unesp.br/eide/
VALORES DAS INSCRIÇÕES: http://iage.fclar.unesp.br/eide/
Contato: eide_2011@yahoo.com.br

PROGRAMAÇÃO

26/10/2011 (quarta-feira)
Das 9 às 12 e das 14 às 17 horas: Credenciamento e entrega de materiais
18 horas: Abertura Oficial
19h30: Conferência Inaugural

27/10/2011 (quinta-feira)
Das 8 às 9 horas: Apresentação de Pôsteres

Das 9 às 12 horas: Mesas Redondas
Educação especial; O contexto da Educação Infantil em processo de transição e vínculo com o Ensino Fundamental e a Família; Sexualidade, gênero e educação sexual; Ensino Superior e Contemporaneidade e Educação e Direitos Humanos na contemporaneidade.

Das 13h30 às 17h30 e das 19h30 às 22h30: Mini Cursos
1. DCN para educação para as relações étnico-raciais e aspectos relativos a gestão da escola;
2. Educação democrática na escola: propostas de desafios;
3. Os conflitos nas relações de trabalho e a gestão heterônoma da pós-graduação;
4. Paradigmas de pesquisa em educação e a relação teoria e prática;
5. Lousa digital na educação: interagindo com o conteúdo;
6. Formação de leitores;
7. Prática de leitura e cursos de formação de professores;
8. Trajetórias de vidas: implicações na formação e prática docente de professores de educação física;
9. Infância, experiência e sentidos para o fazer educativo;
10. Sexualidade, gênero e educação sexual: uma introdução;
11. Atendimento educacional especializado: como planejá-lo;
12. Organização da escola inclusiva: o projeto político pedagógico, a sala de aula o aluno;
13. Transição da Educação Infantil para o Ensino Fundamental de nove anos: práticas educativas da família, da escola e as relações entre estes contextos;
14. Educação Infantil e Ensino Fundamental de 9 anos: um vínculo permeado pela expressão de diversas linguagens;
15. Ensino superior, tecnologia e os avanços no panorama internacional;
16. Culturas, diversidade e direitos humanos na educação;
17. Reflexões sobre ética, moral e educação na atualidade e
18. Direitos humanos, gênero e etnia na escola.

28/10/2011 (sexta-feira)
Das 8 às 9 horas: Apresentação de Pôsteres

Das 9 às 12 horas: Mesas Redondas

Formação do educador, trabalho docente e práticas pedagógicas; Novas tecnologias de informação e comunicação em educação; Pesquisa e avaliação educacional; Gestão educacional: caminhos possíveis para uma educação pública de qualidade.
Colóquio Tecnologias de Informação e Comunicação Aplicadas na Educação Sexual

Das 14 às 18 horas: Apresentação de Comunicações

Eixos Temáticos:
Política e Gestão Educacional; Pesquisa e Avaliação Educacional; Novas Tecnologias de Informação e Comunicação em Educação; Formação do Educador, Trabalho Docente e Práticas Pedagógicas; Educação Sexual, Gênero e Valores; Educação Especial; Educação Infantil; Educação Superior e Educação e Direitos Humanos.

19h30: Conferência Final
21h: Encerramento
21h30: Entrega de certificados

Bibliotecas Digitais e Sites para Pesquisas Científicas

Este post apresenta uma lista de Bibliotecas Digitais e Sites para Pesquisas Científicas. A lista também está localizada ao centro, no menu superior do Blog.

São 24 links para fontes confiáveis de pesquisa científica e a lista é constantemente atualizada.

 

Acesse os livros digitais com download gratuito da Unesp – Coleção PROPG Digital da Editora Unesp

A Unesp (Universidade Estadual Paulista) lançou nesta quarta-feira dia 27 de abril a Coleção PROPG Digital 2011, um portal com 50 livros digitais inéditos para download gratuito. As obras são da Editora da Unesp com o selo Cultura Acadêmica. No total, a Coleção PROPG Digital tem 94 obras. 44 lançadas em 2010 e 50 lançadas em 2011.

Acesse aqui o portal para download das obras.

É necessário fazer um cadastro para ter acesso gratuito às obras.

Entre os livros, estão textos sobre história, letras, educação, psicologia, comunicação, música, geografia/urbanismo, teatro, política/ciências sociais, economia, arquitetura, filosofia, ciências/matemática e artes.

Veja a lista de livros:

História

As tradições gaúchas e sua racionalização na modernidade tardia – Caroline Kraus Luvizotto

Palmas, a última capital projetada do século XX: Uma cidade em busca do tempo – Valeria Cristina Pereira da Silva

Monteiro Lobato nas páginas do jornal: Um estudo dos artigos publicados em O Estado de S. Paulo (1913-1923) – Thiago Alves Valente

Representações do senado romano na Ab Unbe Condita Libre de Tito Lívio: Livros 21-30 – Marco Antonio Collares

Sacrificium Laudis: A hermenêutica da continuidade de Bento XVI e o retorno do catolicismo tradicional (1969-2009) – Juliano Alves Dias

Letras/Linguística

O rio e a casa: Imagem do tempo na ficção de Mia Couto – Ana Cláudia da Silva

Rumores da escrita, vestígios do passado: Uma interpretação fonológica das vogais do português arcaico por meio da poesia medieval – Juliana Simões Fonte

Relações de complementação no português brasileiro: Uma perspectiva discursivo-funcional – Liliane Santana

A Literatura dos Outros e os Outros da Literatura – Maria Heloísa Martins Dias / Sônia Helena de Oliveira Raymundo Piteri

O léxico em foco: Múltiplos olhares – Lidia Almeida Barros / Aparecida Negri Isquerdo

Língua e sociedade nas páginas da imprensa negra paulista: Um olhar sobre as formas de tratamento – Sabrina Rodrigues Garcia Balsalore

Figurações contemporâneas do espaço na Literatura – Sérgio Vicente Motta / Susanna Busato

Leitura e escrita como espaços autobiográficos de formação – Maria Rosa Rodrigues Martins de Camargo

Geografias do drama humano: Leituras do espaço em São Bernardo, de Graciliano Ramos, e Pedro Páramo, de Juan Rulfo – Gracielle Marques

Educação

Necessidades formativas de professores de redes municipais: Contribuição para a formação de professores crítico-reflexivos – Cristiano Amaral Garboggini di Giorgi / Maria Raquel Miotto Morelatti / Mônica Fürkotter / Naiara Costa Gomes de Mendonça / Vanda Moreira Machado Lima / Yoshie Ussami Ferrari Leite

Política de Educação no campo: Para além da alfabetização (1952-1963) – Iraíde Marques de Freitas Barreiro

Pesquisa em educação escolar: Percursos e perspectivas – José Milton de Lima / Divino José da Silva / Paulo Cesar de Almeida Raboni

Educação infantil: Discurso, legislação e práticas institucionais – Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade

Jovens, violência e escola: Um desafio contemporâneo – Joyce Mary Adam de Paula e Silva / Leila Maria Ferreira Salles

Aprendizagem e comportamento humano – Tânia Gracy Martins do Valle / Ana Cláudia Bortolozzi Maia

Pesquisa em educação: Métodos e modos de fazer – Marilda da Silva e Vera Teresa Valdemarin

A vigilância punitiva: A postura dos educadores no processo de patologização e medicalização da infância – Fabiola Colombani Luengo

Formação de professores: Limites contemporâneos e alternativas necessárias – Lígia Márcia Martins / Newton Duarte

Psicologia

Saúde e desenvolvimento humano – Tânia Gracy Nartins do Valle e Lígia Ebner Melchiori

A depressão como “mal-estar” contemporâneo: Medicalização e (Ex)-Sistência do sujeito depressivo – Leandro Anselmo Todesqui Tavares

Natureza comportamental da mente: Behaviorismo radical e filosofia da mente – Diego Zílio

Comunicação

Televisão digital: Informação e conhecimento – Maria Cristina Gobbi / Maria Teresa Miceli Kerbauy

Gestão, mediação e uso da informação – Marta Valentim

Criação, proteção e uso legal da informação em ambientes da World Wide Web – Elizabeth Roxana Mass Araya / Silvana Aparecida Borsetti Gregório Vidotti

Música

Revisão crítica das canções para voz e piano de Heitor Villa-Lobos: Publicadas pela Editora Max Eschig – Nahim Marun

Abordagens do pós-moderno em Música: A incredulidade nas metanarrativas e o saber musical contemporâneo – João Paulo Costa do Nascimento

Geografia/Urbanismo

Brasília, metropolização e espaço vivido: Práticas espaciais e vida quotidiana na periferia goiana da metrópole – Igor Catalão

Paisagens de consumo: São Paulo, Lisboa, Dubai e Seul – Silvia Aparecida Guarnieri Ortigoza

História do pensamento geográfico e epistemologia em Geografia – Paulo R. Teixeira de Godoy

Teatro/Dramaturgia

Traços épico-brechtianos na dramaturgia portuguesa: O render dos heróis, de Cardoso Pires, e Felizmente há luar!, de Sttau Monteiro – Márcia Regina Rodrigues

Projeto Comédia Popular Brasileira da Fraternal Companhia de Arte e Malas-Artes (1993-2008): Trajetória do ver, ouvir e imaginar – Roberta Cristina Ninin

Política/Ciências Sociais

Mulheres em foco: Construções cinematográficas brasileiras da participação política feminina – Danielle Tega

Política e identidade cultural na América Latina – José Luis Bendicho Beired / Carlos Alberto Sampaio Barbosa

Cultura contemporânea, identidade e sociabilidades: Olhares sobre corpo, mídia e novas tecnologias – Ana Lúcia de Castro

Caleidoscópio Político: As representações do cenário internacional nas páginas do jornal O Estado de S. Paulo (1938-1945) – Alexandre Andrade da Costa

Profissão: Assistente Social – Edméia Côrrea Netto

Suicídio revolucionário: A luta armada e a herança da quiméria revolução em etapas – Claudinei Cássio Rezende

Economia

Inovações tecnológicas e a complexidade do sistema econômico – Carolina Marchiori Bezerra

O Estado como empregador de última instância: Uma abordagem a partir das finanças funcionais – Guilherme da Rocha Bezerra Costa

Arquitetura/Design

Revolução histórica da Ergonomia no mundo e seus pioneiros – José Carlos Plácido da Silva / Luis Carlos Paschoarelli

Design, empresa e sociedade – Paula da Cruz Landim

Filosofia

Consciência e matéria: O dualismo de Bérgson – Jonas Gonçalves Coelho

Ciências/Matemática

Ensino de Ciências e Matemática III: Contribuições da pesquisa acadêmica a partir de múltiplas perspectivas – Fernando Bastos

Ensino de Ciências e Matemática IV: Temas de investigação – Nelson Antonio Pirola

Artes

Mulheres recipientes: recortes poéticos do universo feminino nas artes visuais- Flávia Leme de Almeida

A COLEÇÃO PROPG – DIGITAL
Esta coleção surge em função da tradicional parceria entre a Pró-Reitoria de Pós-Graduação da UNESP – PROPG – e a Fundação Editora da UNESP, ambas responsáveis pelo lançamento de centenas de títulos e novos autores da Universidade em outros programas editoriais com suporte em papel. Sintonizada com as tecnologias da textualidade eletrônica e também com a transmissão gratuita de conhecimento gerado nas pesquisas da universidade pública, a Coleção PROPG-DIGITAL é também a primeira experiência da Fundação com o livro digital e será importante laboratório de novas iniciativas nesta área que conquista gradualmente seu lugar no imenso universo de possibilidades da publicação e da leitura acadêmica.

Ranking das 500 melhores universidades do mundo tem 6 brasileiras (em 2010)

O ranking 2010 das 500 melhores instituições de ensino superior, realizada pela Universidade de Comunicações de Xangai (China), coloca os estabelecimentos norte-americanos na liderança. Como em 2009, os Estados Unidos ocupam 17 dos 20 primeiros lugares.

Na lista divulgada pelo site Echos, aparecem seis instituições brasileiras: USP (entre as 150 melhores), Unicamp (300 melhores), UFMG, UFRJ, Unesp (as três entre as 400 melhores) e UFRGS (entre as 500 melhores).

Entre as dos EUA, Harvard aparece em 1º, Berkeley em 2º e Stanford em 3º. Apenas as britânicas Cambridge (5º) e Oxford (10º) estão entre as 10 melhores, ao lado das americanas. O próximo país a aparecer é o Japão, com a Universidade de Tóquio, que fecha as 20 melhores.

Três estabelecimentos franceses estão na lista dos cem primeiros: Pierre-et-Marie-Curie, no 39º lugar (situação melhor em relação ao relatório de 2009); Paris-Sud Orsay está no 45º (duas posições perdidas) e a École Normale Supérieure (ENS-Ulm), no 71º (recuo de uma posição).

Divulgada desde 2003, esta classificação mundial é tão esperada quanto criticada, notadamente na Europa – na França, em particular.

Os critérios para o posicionamento levam mais em consideração pesquisas do que a formação: o número de prêmios recebidos e artigos publicados em revistas e periódicos em inglês -outros idiomas não são levados em conta.

A União Europeia já divulgou que pretende construir até 2011 sua própria classificação, concebida como ajuda aos estudantes para sua escolha.

Veja aqui a lista completa em PDF

Fonte: Folha de São Paulo

Lançamento do meu 2º Livro: As tradições gaúchas e sua racionalização na modernidade tardia

Meu segundo livro As tradições gaúchas e sua racionalização na modernidade tardia será lançado oficialmente pela Editora Unesp no dia 27 de abril de 2011.

Será uma edição digital para download gratuito e quem quiser adquirir uma versão impressa poderá faze-lo solicitando diretamente na Editora Unesp.

Após o lançamento vou disponibilzar aqui no blog o link para o download gratuito da obra!

Quem tiver interesse em saber mais sobre essa obra pode acessar a entrevista que eu concedi a Radio Unesp e ler a sinopse do livro logo abaixo.

Boa Leitura!

Entrevista sobre a obra As tradições gaúchas e sua racionalização na modernidade tardia

Sinopse da obra As tradições gaúchas e sua racionalização na modernidade tardia

Este livro analisa a racionalização das tradições num contexto de modernidade tardia. A análise tem como ponto de partida as tradições gaúchas e sua manifestação nos Centros de Tradição Gaúcha (CTG). O estudo foi desenvolvido com base na bibliografia especializada sobre o tema e em uma pesquisa efetuada durante o ENART 2008 – Encontro de Arte e Tradição Gaúcha, realizado em 2008 na cidade de Santa Cruz do Sul – RS. Os estudos apontam que a modernidade tardia traz à tona a reflexividade e racionalização das relações, experiências e tradições. Tradições são (re)inventadas e, neste caso, (re)inventadas tendo o CTG como cenário e esta (re)invenção permite manter os vínculos e a sociabilidade do grupo sócio-cultural que se reconhece enquanto grupo e se diferencia dos demais por identificar-se em torno de símbolos, práticas, crenças e rituais que os une, pois é comum a todos eles, independente do espaço geográfico que ocupem. Na modernidade tardia o caráter de ludicidade atribuído às tradições (re)inventadas no CTG é o fio condutor para inúmeras relações que se estabelecem nesse cenário e é o combustível de todas as práticas e rituais vivenciados ali. A ludicidade das atividades dá sentido às práticas tradicionalistas e à toda tradição que foi (re)inventada e que passa a ser racionalizada no contexto de modernidade reflexiva. Essa apropriação do caráter lúdico das tradições e as relações estabelecidas no CTG a partir dos símbolos, práticas e rituais sinalizam que estamos vivenciando no Brasil um contexto de modernidade tardia. No contexto da modernidade tardia, a tradição racionalizada é uma maneira de evitar choques entre diferentes valores e modos de vida, uma vez que age como articuladora de atores e grupos sociais, entre as diferentes instâncias do mundo social.