CARREIRA: 10 erros que devem ser evitados nas redes sociais

Cuidados podem fazer dessas ferramentas aliadas da carreira
Por Roberto Machado – Portal Universia

Presentes no dia a dia principalmente para uso pessoal, as redes sociais revelam um pouco da personalidade e da postura dos profissionais. Sabendo disso, as empresas têm buscado utilizar essas mídias como ferramenta de recrutamento de recursos humanos. No entanto, mesmo quem não está à procura de emprego precisa atentar para o tipo de conteúdo que divulga nos perfis virtuais.

Afinal, é a imagem pessoal que está em jogo e, por ser público, o perfil permite acesso de colegas de trabalho e gestores. Em geral, basta ter bom senso para não se comprometer, mas, para não correr risco de ver a caminhada profissional desandar, o Universia publica uma lista com os dez principais equívocos cometidos em redes sociais. Confira!

Expor intimidades pessoais
"Nas redes sociais é comum descobrimos um pouco mais da vida de cada pessoa. Nela também temos acesso aos seus gostos musicais, suas preferências de leitura e cinema, além de fotos e vídeos. Mas, assim, como na nossa vida diária, tudo tem limite. Por isso, é importante não se expor demais na internet. É impossível saber quem está olhando e como fotos e vídeos podem ser alterados e usados para outros fins. O melhor a fazer é colocar apenas o essencial sem deixar dados pessoais, placas de veículos nem informações de sua rotina diária. Procure manter um conteúdo mais genérico".
Alexandre Estanislau, sócio e diretor de criação da Bolt Brasil Comunicação.

Entrar em comunidades preconceituosas
“É comum vermos pessoas com centenas de comunidades em seu perfil nas redes sociais, mas é preciso ter muito cuidado com esse tipo de prática. O primeiro ponto é cuidar para não fazer parte de comunidades que possam ser vistas como racistas ou preconceituosas. Algumas delas podem atrapalhar na hora de conseguir um emprego, já que as redes sociais são usadas por alguns recrutadores como fator de desempate ou pesquisa. Nesse caso específico, estar em grupos que demonstrem descontentamento por alguma ferramenta de trabalho ou por acordar cedo, por exemplo, pode te prejudicar. Até mesmo comunidades aparentemente inofensivas podem causar problemas, uma vez que seu nome pode mudar para qualquer outra coisa com o tempo. Por isso, é importante checar sempre que possível suas comunidades e também ficar atento para apagar fotos, vídeos e conversas que você já teve na internet. O cuidado, nesse caso, deve ser preventivo”.
Raquel Recuero, professora e pesquisadora do programa de pós-graduação em Linguística da UCPEL (Universidade Católica de Pelotas).

Usar a rede social no ambiente de trabalho
“Algumas pessoas costumam checar constantemente seu perfil nas redes sociais e interagir com ela por algum tempo. Isso não é um problema, contanto que seja feito por alguns minutos durante o intervalo. Fazer isso no trabalho, por outro lado, não é bem visto. Primeiro porque demonstra falta de comprometimento com suas funções e também falta de respeito com os colegas. Em alguns casos o uso das redes pode ser benéfico para o trabalho, como para buscar informações sobre empresas e fazer contatos profissionais. Se esses não forem os motivos que o levam a acessar seu perfil na empresa, é melhor esperar até chegar em casa”.
Simone Taiss, coordenadora de recrutamento da FIAT .

Manifestar insatisfação com a empresa
“É preciso entender que as redes sociais são janelas abertas para o mundo. Ou seja, você deve estar ciente que as pessoas irão ler e ver tudo que é colocado lá. Da mesma maneira que os escritores são julgados pelo que escrevem, você também sentirá a repercussão de postar, por exemplo, que está insatisfeito com seu trabalho. Quem faz isso passa para seus superiores a imagem de insegurança e imaturidade. Você pode até estar concorrendo a uma promoção e, por causa disso, ser passado para trás. O importante é conversar com o seu chefe antes de divulgar esse tipo de informação”.
Glberto Guimarães, diretor do MBA Executivo em Liderança e Gestão de Pessoas do BSP (Business School São Paulo).

Dizer na rede social o que não diria pessoalmente
“O mundo virtual traz inúmeras novidades tecnológicas para o nosso cotidiano, mas não no quesito relacionamento. E é exatamente nesse ponto que muitas pessoas costumam errar. Você deve saber pesar o que é relevante, importante e ofensivo para outras pessoas que se encontram na sua rede social do mesmo jeito que faria no seu dia a dia. Por isso, evite colocar no seu perfil piadas ofensivas e enviar comentários se referindo de maneira sarcástica ou irônica a outras pessoas. É preciso ter bom senso para distinguir o que é ou não aceitável. E lembre-se! Em muitos casos as redes sociais são usadas como recurso para conseguir emprego ou até mesmo promoção. Com isso em mente, tome cuidado com o que atrela à sua personalidade virtual”.
Nereida Salete Paulo da Silveira, professora do curso de administração da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Manifestar posições políticas ou partidárias
“Dependendo de onde você atua, sua posição política pode trazer desconforto para o ambiente de trabalho, ainda mais se divergir do posicionamento da empresa. O ponto aqui não é trocar seus ideais e ideologias, mas entender que algumas vezes é preciso colocar os interesses profissionais acima dos políticos. Atitudes como mandar discursos, perfis de candidatos e, com isso, tentar influenciar colegas de trabalho pode não trazer o tipo de atenção que você gostaria de receber. Em alguns casos continuar com essa visão pode ocasionar afastamento ou até mesmo demissão. O melhor a fazer é manter uma postura profissional e não deixar os outros aspectos da sua vida afetarem seu trabalho”
Caroline de Angelis, professora do curso de Gestão de Recursos Humanos da USJT (Universidade São Judas Tadeu).

Falar em nome da empresa
“Se você é o responsável por cuidar do Twitter, Facebook ou Orkut da sua empresa lembre-se: você é o ouvido da companhia na internet. Todos os problemas com clientes, consumidores e público em geral irão chegar primeiro a você, por isso tenha cuidado com o tipo de resposta que vai fornecer. Levar críticas e reclamações para o lado pessoal afetam diretamente a imagem que o público tem da empresa e, além disso, sua carreira dentro dela, já que você não soube se comportar de maneira profissional e acabou se responsabilizando por um problema que não era inteiramente seu. Nesse momento, o melhor a fazer é levar a situação aos seus superiores e, com eles, procurar a melhor maneira de apurar e resolver a questão”.
Edney Souza, diretor de operações e sócio da agência Pólvora especializada em mídias sociais.

Não ter perfil em nenhuma rede social
“Não usar ou evitar o envolvimento com as redes sociais é uma opção de cada pessoa. É claro que em áreas como Marketing ou Comunicação é quase impossível ficar longe delas, já que servem como canal de comunicação adicional. Mas se engana quem pensa que os benefícios profissionais se limitam apenas a esses nichos. Canais como Facebook, Orkut e Twitter, em muitos casos, são responsáveis por contratações e troca de informações sobre emprego. Por isso, você não deve se limitar apenas ao contato que faz por carta ou e-mail ao buscar um novo emprego. As redes sociais podem ser tão ou mais efetivas que outros métodos”.
Eric Messa, professor de novas tecnologias da comunicação da FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado).

Mentir
“Um dos grandes problemas das redes sociais é ocasionado pelo fato de que muitas pessoas divulgam informações que nem sempre são verdadeiras. Como exemplo, há quem participe de comunidades para passar a ideia de que tem habilidades e capacidades técnicas que na verdade não possui. Na maioria dos casos, esse tipo de atitude pode refletir negativamente, tanto na hora de procurar emprego, quanto na empresa onde a pessoa trabalha. A mentira não tem efeito menor só porque se encontra em uma mídia virtual. No fim das contas, as consequencias podem ser até piores, já que os colegas de trabalho, superiores e recrutadores vão passar a te olhar com desconfiança e podem até colocar em xeque outras informações que você passou”.
Marcelo Augusto Santos Turine, diretor científico da FUNDECT (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia)

Não se preocupar com ortografia e gramática
“Com a utilização das redes sociais as pessoas escrevem de forma muito coloquial e abreviada, fato que não traz problemas, já que a própria internet pede por uma linguagem mais dinâmica e descontraída. O que algumas pessoas parecem não entender é que essa escrita deve se limitar estritamente ao meio virtual. Levando isso em consideração. Escrever e-mails, lembretes, recados e textos com esse método pode gerar desconforto e até advertências dentro da empresa. É melhor deixar essa linguagem para a própria internet e continuar usando o português correto na hora do trabalho”.
Gabriela Jorge da Silva, coordenadora dos cursos da área de Marketing e Vendas do Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial)

Matéria disponível em http://www.universia.com.br/carreira/materia.jsp?materia=20331

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s